Não contrate uma agência de publicidade

Calma! Você não entendeu errado o título deste artigo. Vamos explicar bem direitinho.  

Provavelmente você já leu ou ouviu a seguinte expressão: “o modelo de agência de publicidade está morrendo”. Mas se você não trabalha nesse setor pode pensar que essa afirmação não tem relação com você ou sua empresa. 

Mas na verdade tem sim! Se você tem uma empresa, que oferece um produto ou serviço, essa mudança importa e muito. 

Neste artigo, não vamos falar diretamente sobre a mudança do mercado publicitário ou o futuro da publicidade. Nosso objetivo é falar o porquê do formato tradicional de agência de publicidade não funcionar mais e qual é a solução para que sua marca conquiste os resultados necessários. 

Temos certeza que no final desse artigo você terá uma nova visão sobre o assunto. 

Vamos lá! 

 

Sim, sua empresa precisa de publicidade!

 

Na introdução deste texto falamos que o modelo de agência de publicidade tradicional não funciona mais, mas a publicidade sim funciona. Ela funciona quando é realizada fundamentada em dois pontos principais. Dados e resultados (vamos falar mais isso). 

Segundo o Dicionário Online de Português, a publicidade é ação de tornar algo ou alguém conhecido publicamente. Porém, hoje, com o avanço das tecnologias e as novas formas de consumo, apenas tornar algo conhecido não é o suficiente para que ele seja vendido. 

Anunciar em horário nobre da TV aberta não é mais sinônimo de resultado. O consumidor não se comporta mais como há 15 anos e quem vende precisa acompanhar as mudanças. 

Essas mudanças de comportamento não anulam a necessidade de lançar mão da publicidade, o que muda é a forma como a mensagem será passada. Como uma determinada marca irá publicitar seu serviço ou produto. 

Talvez você esteja se perguntando: “se a agência de publicidade não atende a necessidade da minha empresa, quem eu devo procurar então?”. 

No tópico a seguir vamos responder essa pergunta! 😉

 

Consultoria 

Nos formatos tradicionais as agências “agenciam mídia”. Elas intermediam a relação entre os veículos de mídia e as marcas que anunciam. Então, nesse formato o papel da agência é encontrar o melhor lugar e forma do cliente veicular sua marca. 

Porém, como já comentamos, apenas encontrar a melhor forma e lugar para anunciar não é o suficiente. Nesse momento que entra a cultura de consultoria.

Segundo, Penry Price, vice-presidente do LinkedIn Marketing Solutions, os modelos de negócio de consultorias e agências criativas estão convergindo. 

Enquanto consultorias, que tem um background profundo em estratégia de negócios e tecnologia, estão adicionando agências criativas a seu arsenal de soluções, as grandes agências de publicidade estão expandindo suas ofertas também.

As agências, têm introduzido em seus modelos uma visão que entende de estratégia de negócios e o papel da tecnologia em marketing para poder acompanhar as mudanças do mercado.

Mas a criatividade não fica de lado, ela continua sendo parte essencial de todo o processo.

Ou seja, as agências integram a cultura de consultoria a sua realidade e de forma estratégica passam a utilizar tecnologia para dar escala aos relacionamentos com o cliente e principalmente resultados! 

É agora que entram os dados e resultados. O tão comentado data-driven. No tópico a seguir iremos falar um pouco sobre o assunto e como esse conceito interfere no relacionamento das marcas com quem irá publicitar o negócio. 

 

Dados, dados e resultados!

Aqui no Blog da Mobister temos falado muito sobre esse assunto. O data-driven tem norteado de forma muito contundente as estratégias de marketing e merece sempre nossa atenção. 

Como já comentamos anteriormente, as marcas querem resultados e eles vem a partir de uma estratégia bem estruturada a partir dos dados. 

Com o data-driven é possível tomar decisões mais assertivas a partir da estratégia de marketing. Dessa forma, ela é totalmente baseada em dados fornecidos e coletados pelos clientes, fornecedores e colaboradores. 

As agências oferecem não somente a mensagem certa do produto, mas também as ferramentas de marketing corretas para impulsionar a mensagem e poder mensurar os resultados.Informações não faltam! Porém, precisamos observar com atenção como a empresa irá obter esses dados e como os analisará. Afinal, sem dados você é apenas uma pessoa com opinião. Aqui no blog já falamos sobre isso também, se quiser entender um pouco melhor leio nosso artigo: Marketing digital não vive mais sem data-driven. 

 

Publicidade e ROI

ROI é uma sigla para a expressão em inglês “Return over Investment”, ou “Retorno sobre Investimento”. Com esse indicador, é possível saber quanto dinheiro a empresa está ganhando, ou perdendo, em cada investimento realizado. 

Considerando a nova realidade de relacionamento entre os clientes e as agências, o ROI passou a ser um dos principais ponto analisados, muitas vezes até o parâmetro para pagamento da consultoria prestada. 

Um exemplo interessante é o McDonald’s. Depois de 35 anos a marca mudou de agência e na ocasião a fala do líder de marketing foi: “a proposta do Omnicom traz uma ideia de “agência do futuro”, que tem a área digital e o marketing de dados em sua base”. 

Um outro ponto importante a ser destacado é que o contrato feito entre o McDonald’s e a Ommicom, em 2017. Ele foi baseado em ROI. Ou seja, a agência seria remunerada em detrimento dos resultados alcançados. Quanto melhor fosse os resultados para o McDonald’s, melhor seria para a agência. 

***

Todas essas mudanças que citamos acima podem até assustar alguns, mas ela trazem inúmeras vantagens e principalmente assertividade. Inserido dentro dessa realidade, o trabalho desenvolvido pelas agências são melhor executados e os clientes conquistam mais e melhores resultados.

Se você ficou com alguma dúvida, ou quer entender ainda mais como funciona uma consultoria de marketing e inovação, fale com a gente! Aqui na Mobister há algum tempo já temos implementado essa cultura e data-drive tem sido a base de nosso trabalho. 

Até a próxima! 😀

Mobister

Marketing para tecnologia.